Como parar de sofrimento causado pelo HIV em 5 minutos – VIDEO

Primeiro, vamos entender de onde vem o sofrimento.

O sofrimento criado pela infecção por HIV ou um possível diagnóstico de AIDS funciona como qualquer outro grande sofrimento. É biologicamente bem menos ruim do que muitas outras doenças, mas psicologicamente com certeza ganha da maioria.

Seita fala no vídeo que a causa de todo sofrimento, em maior ou menor nível, é o desalinhamento entre as nossas expectativas e a realidade.

Quando a realidade não vai de encontro às nossas expectativas, ficamos enlouquecidos, indignados, enraivecidos.
Como é o caso da realidade do “REAGENTE” quando a nossa expectativa era “NÃO REAGENTE”, não é mesmo?!

“A vida não tá totalmente sob o nosso controle. O mundo não gira ao nosso redor!
As coisas que nos trazem alegria não são garantidas, não são permanentes, não são imutáveis”

Amadurecemos ao ajustar as nossas expectativas à realidade

O processo de amadurecimento é a maneira pela qual podemos reconciliar expectativas e realidade. É a oportunidade de ajustar a ambos para que não estejam em desnível.

Seiiti até mesmo dá o exemplo simplório de quando ganhamos uma flor. Nós não sofremos quando ela começa a murchar e as pétalas começam a cair ao chão. Pois esta é a nossa expectativa, e esta é a realidade.

Com o HIV ou AIDS funciona em uma escala muito aumentada mas da mesma forma. O resultado veio reagente e foi confirmado, então é isso, você é portador do vírus HIV, causador da AIDS quando não tratado e esta será sua realidade. Não tem muito o que lutar contra, não é um conceito abstrato, é um vírus muito bem conhecido que se alojou no sei corpo e ali permanecerá até [e se] a cura ser encontrada.

Pra deixar de sofrer, nós precisamos de clareza

Quando nós finalmente tomamos consciência de que a vida é um conjunto de acontecimentos, e que nem todos eles são bons, nós passamos a aproveitar muito mais o momento presente.

Aqui, o sábio rapaz relata que nós temos clareza quanto à morte da rosa. Por tal motivo não sofremos tanto.
E assegura que podemos passar por qualquer situação da vida sem sofrimento se entendermos com clareza como a vida funciona. Se não tomarmos os momentos bons como sendo permanentes e os ruins como nem sequer fazendo parte da nossa história.

Não confunda aceitação com resignação

Aceitação é não opor resistência àquilo que já é!

Quando ficamos doentes e com febre ( o que lembra muito a soroconversão), sabemos que ficaremos mal, com dores no corpo e talvez até acamados.
E esta é a realidade.
O sofrimento vem da indignação que é colocada sobre isto, vem da camada desnecessária de sentimentos atrelados à condição de saúde.

No contexto da infecção por HIV, uma situação muito parecida é o momento de começar a tomar os medicamentos. Muitos fogem dos antirretrovirais como o diabo foge da cruz. Pois além dos possíveis efeitos adversos que podem vir ao iniciar a medicação, juntamos a este momento a nossa infecção pelo vírus e o quão culpados podemos ser por isso.

“Cedo ou tarde, TODOS – NÓS – TEREMOS – PROBLEMAS – PARA ENFRENTAR. E assim não temos expectativas frustradas.”

“A grande maioria das pessoas não consegue aceitar esse tipo de situação. São pessoas tomadas por uma emoção forte de NEGAÇÃO, ela pensa: ‘Não, isso não pode tá acontecendo comigo!’
Qual é o resultado?
Nada muda, a realidade é a mesma.”

“Quando percebemos que a negação não está funcionando para alterar a realidade, passamos para a IRA.
A gente xinga, a gente briga, a gente fica com raiva.
Resultado: nada muda, a realidade é a mesma.”

“Quando percebemos que a ira não está funcionando para alterar a realidade, podemos passar para a esperança. A gente sorri, a gente espera que a sorte mude.
Resultado: nada muda, a realidade é a mesma.”

Depois que a esperança também não consegue mudar a realidade que tanto nos faz sofrer, aí caímos em depressão, em uma desilusão profunda.
Mas depois acabamos percebendo que a realidade não mudo mesmo depois de atingirmos o fundo do poço.
É aqui que provavelmente aceitamos e paramos de sofrer.

Se você quer parar de sofrer, aceite o que não pode ser mudado, o que já é passado.

Aceite de uma vez por todas seu diagnóstico positivo para o HIV, pois ele não vai mudar hoje nem amanhã, nem daqui a 10, talvez 20 ou 30 anos, ou jamais mude.

Lute pelo que é possível mudar.

É possível:

Ter uma vida sexual mais responsável e segura, com menos riscos e menos preocupações.

É possível não contrair as dezenas de outras DSTs soltas pelo mundão a fora, como vários tipos de HPV, hepatite B e C, sífilis, gonorreia, clamídia, candidíase, herpes.

É possível viver uma vida longa, muito longa com HIV. Foque nisto!

É possível trazer a sua imunidade para números absolutamente normais ao tomar corretamente os medicamentos antirretrovirais. Tome-os!

É possível levar a sua carga viral a níveis indetectáveis e assim não transmitir o vírus a ninguém nem que você queira, não sofrer de problemas de saúde ligados ao HIV em si.

É possível ser militante. Espernear por melhores tratamentos no Brasil. É possível lutar por Dolutegravir em primeira linha, é possível lutar por Darunavir em primeira linha, é possível lutar pela incorporação da versão incrivelmente menos tóxica do Tenofovir no SUS, é possível lutar contra o estigma.

É possível viver BEM e FELIZ com HIV. 

E se você não tem HIV, é perfeitamente possível jamais se infectar. Use camisinha, exija PrEP no Brasil, pegue a PEP no postinho se transar sem camisinha.