Tenofovir

Fármaco:

Tenofovir Disoproxil Fumarate
(Fumarato de Tenofovir Desaproxima)

Molécua de Tenofovir
Contido em:

É vendido separadamente pelo nome de Viread, em combinação com Emitricitabina na conhecida pílula Truvada, em combinação com Emitricitabina e Efavirenz no Atripla.
Aqui no Brasil se encontra combinado com Lamivudina e Efavirenz, muitíssimo similar em perfil toxicológico e eficácia com o Tripla, porém ficou conhecido como 3 em 1.

3 em 1 para tratamento do HIV

Classe: Inibidor de Transcriptase Reversa Análogo de Nucleotídeo (ITRNt).

O Tenofovir é uma medicação muito segura e eficaz tanto para prevenção da infecção pelo HIV em esquemas com Emitricitabina na modalidade PrEP quanto para tratamento de uma infecção por HIV já estabelecida, porém, neste caso sendo necessária a utilização de outro ITRN como a lamivudina ou emitricitabina e ainda um medicamento de outra classe, preferencialmente no Brasil um ITRNN como o Efavirenz.

Tanto é que aqui a medicação preferencial para início de tratamento é:

Tenofovir (TDF 300mg) + Lamivudina (3TC 300mg) + Efavirenz (EFV 600mg)

Que também é o esquema preferencial da OMS por enquanto, janeiro de 2016.

É bem tolerado?

É muito bem tolerado, tanto é que é a escolha primária para várias combinações. Algumas vezes pode causar desconfortos gastrointestinais, mas é incomum a descontinuação da medicação.

Tem rápida absorção, com média de 0.75 horas neste estudo chinês e raramente efeitos adversos são relatados pelo uso de somente este componente.

É seguro?

Para a maior parte das pessoas, sim. O TDF é conhecido por algumas vezes trazer problemas renais, os quais são monitorados nos testes de rotina. Também causa uma perda de densidade óssea modesta e não progressiva, ou seja, vai até determinado ponto e não acontece mais. E ainda é geralmente reversível com a troca da medicação.

Pessoas com mais de 50 anos devem ficar atentas a estes possíveis efeitos. E se já tiverem problemas ósseos, talvez o TDF não seja a melhor opção. Como ITRN no Brasil ainda temos o Abacavir e AZT que podem ser utilizados.

Tenofovir não parece estar associado a toxicidade mitocondrial, o que afasta um pouco mais qualquer possibilidade de “lipodistrofia”, acidose láctica e neuropatia periférica.

A versão TAF já foi aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA, e esperamos que faça parte das combinações no Brasil dentro de algum tempo. Seria um alívio a todos que se preocupam, sendo que esta versão parece não causar quaisquer alterações em função renal ou óssea e mantém a mesma eficácia e tolerabilidade.

Informações importantes: Isto não deve servir como uma bula, são somente meus achados em estudos clínicos e principalmente sites americanos. Estas informações não substituem qualquer indicação do seu médico infectologista ou agente de saúde.