Adesão ao tratamento para HIV

O que é “adesão ao tratamento”

Não é nada mais do que simplesmente tomar sua medicação como prescrita por seu médico infectologista ou agente de saúde. A dosagem correta nos períodos do dia especificados, e com a consistência necessária para manter sua carga viral indetectável, o que traz benefícios como:

  • Não transmissão do HIV;
  • Afastamento de resistência ao medicamento;
  • Manutenção das defesas do organismo;

Tem que tomar o medicamento todos os dias?

Sim, até que se prove o contrário esta é a recomendação para todos os tratamentos existentes no mundo para HIV/AIDS.
Alguns medicamentos têm posologia mais confortável sendo em alguns casos um só comprimido uma vez ao dia, como é o 3 em 1 (Atripla) distribuído no Brasil, e de várias outras combinações usadas no exterior e que um dia, se Deus quiser, teremos por aqui, como o Triumeq, Complera, Stribild, Oderfsey, Genvoya.

Outras terapêuticas são administradas duas vezes ao dia, como é o caso do Viramune (nevirapina 200mg), Kaletra (lopinavir+ritonavir) e Isentress (raltegravir 400mg).

Mesma hora, mesmo minuto?

Quem se faz esta pergunta geralmente tem duas saídas:

  1. Acreditar que precisa tomar a medicação para o HIV pelo resto da vida no mesmo horário e religiosamente, que isto impede você de fazer algumas coisas, ficar depressivo, talvez chutar o balde e largar o tratamento de uma vez;

    ou

  2. Acreditar nos avanços da ciência e na evolução da sua medicação, tomar o medicamento todos os dias tentando fazê-lo no mesmo horário simplesmente para ter uma rotina e não esquecer, se houver um imprevisto tomar assim que lembrar, sem correria. Sair com seus amigos e tomar quando chegar em casa e assim manter uma mentalidade saudável quanto a adesão, ficar sempre indetectável e não desistir de tomar pois não é um sacrifício.

Julgo a segunda opção como sendo muito mais saudável e duradoura. Vai mantê-lo extremamente saudável tanto no controle do HIV quanto com seu espírito.
Lembre-se que medicamento para HIV não é insulina nem antibiótico. Foi projetado para ser tomado por uma vida inteira então tem vantagens únicas (e desafios únicos).

O que não fazer

  1. Deixar de tomar a medicação do dia. 
    Precisa ser tomada todos os dias, e é segura para tal. Mesmo depois que estiver indetectável, a medicação funciona como uma barreira para que o vírus não volte.
  2. Tomar só um comprimido e outro não.
    Todo e qualquer tratamento atual contém três medicamentos. Formam uma barreira tripla para que mesmo que um falhe o outro impeça a replicação viral.
    Se seu tratamento consiste no 3 em 1, é aquele comprimido que deve ser tomado todos os dias.
    Se consiste em Kaletra + Truvada (2 em 1), são estes três comprimidos que devem ser tomados, dando um bom tempo entre o Kaletra da manhã e o da noite.
    Se consiste em Atazanavir + Norvir + Truvada, pois bem, são os três de uma vez só.
  3. Beber demais ou usar drogas.
    Algumas drogas têm o potencial de reagir com medicamentos da sua combinação, podendo diminuir ou aumentar os níveis das mesmas no seu sangue. Isto por si só já é um bom motivo para evitar drogas.
    Tanto álcool quanto drogas têm o potencial de fazê-lo esquecer de tomar a medicação, muitas vezes por dias seguidos. Quando você se der conta do erro, já pode estar resistente aos medicamentos.

DICAS para maior adesão:

  1. Alarme no celular.
    Pode ser uma boa ideia colocar um alarme no seu celular lembrando de tomar a medicação, principalmente quando você já tem problemas de memória, depressão ou abuso de álcool e drogas.
    Não precisa cadastrar o alarme como “MEDICAÇÃO para HIV!!!!!”, pode ser um simples “Risoto com a tia Florinda”. Melhor ainda para dar um UP no humor!
  2. Caixa de medicamentos.
    Em algumas lojas ou até farmácias, você pode encontrar caixas plásticas que têm compartimentos para colocar medicamentos. Assim você não vai se atrapalhar nas dosagens ou horários. Esta dica é especialmente útil para soropositivos que tenham comorbidades e precisem tomar mais medicamentos, um fenômeno conhecido por polifarmácia.
  3. Conte com as pessoas certas.
    Não saia espalhando sobre sua sorologia para quem não está preparado. Primeiro conheça sua nova condição, acalme-se e reflita sobre quem são as pessoas ideais para ajudar nos seus [poucos] cuidados. Talvez um grande amigo que vá perceber quando você está depressivo e vai verificar se você está tomando a medicação.